Select

A gestação e a espera por uma criança representam momentos de intenso envolvimento emocional para uma família que está se constituindo. Em um mundo em que expectativas são cada vez mais idealizadas, a descoberta de uma alteração na formação do feto, como a mielomeningocele, traz angústias e muitas dúvidas sobre o futuro do desenvolvimento neurológico do bebê.

Muitos médicos desejam melhorar sua vida financeira mas não sabem como, nem por onde começar. Eles querem investir e multiplicar a riqueza, mas se veem presos aos obstáculos, às incertezas, às dificuldades e à falta de tempo e de conhecimento. Por conta disso, grande parte nem chega a iniciar a caminhada rumo à independência financeira e, dos que começam, grande parte acaba desistindo no meio do caminho. Acesse aqui.

MD, MSc, MBA Francinaldo Lobato Gomes (Neurocirurgião e Educador Financeiro)

 

A criança no contexto da cultura brasileira de violência.
“A vida é falha apenas quando a morte a toma como refém”- Georges Bataille

Por: Dr. José Roberto Tude Melo
Membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia Pediátrica
MD, PhD em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia
Texto baseado na aula sobre o tema, apresentada no XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia pediátrica, ocorrido em Fortaleza- CE 2019.

A espasticidade é uma condição clínica que se desenvolve após lesão do chamado “neurônio motor superior”, quando há descontrole dos sinais enviados pelo Sistema Nervoso Central (cérebro e medula espinhal) aos músculos do corpo. Causas comuns de espasticidade incluem a paralisia cerebral, traumatismos cranianos e acidentes vasculares cerebrais (“derrames”), dentre outros. Leia matéria completa aqui

Muitas famílias recorrem à consulta com um Neurocirurgião Pediátrico devido a assimetrias ou deformidades na cabeça dos bebês. Esta condição, que afeta na grande maioria das vezes a parte posterior do crânio, é conhecida como deformidade postural e não consiste em uma craniossinostose verdadeira, pois não há fechamento precoce de uma ou mais suturas cranianas. A deformidade postural não requer tratamento cirúrgico na grande maioria dos casos.

Por: Eduardo Jucá (Neurocirurgião Pediátrico) e Ricardo Santos de Oliveira (Presidente SBN-Ped)

Acesse aqui